sexta-feira, fevereiro 16

Histórias de lareiras (2)


Já estava tudo preparado à espera de Fuster, que chegou carregado com os seus presentes e assinalou imperativamente a chaminé apagada, farejou o vinho e pôs a mesa enquanto Carvalho procurava na sua biblioteca o livro de versos de Justo Jorge Padrón e um pequeno livrinho com as peças de Beckett, A Última Faixa e Acto sem Palavras. Fuster examinou os livros antes de Carvalho os despedaçar e queimar.
- Porquê?
- Em primeiro lugar porque são livros e depois porque sim.
- Leste-os?
- Há ano. Quando lia.
- Quem é Justo Jorge Padrón?
- Um poeta hispano-sueco que traduziu Vicente Alexandre para canário e se tornou célebre.
- Porque queimas o outro?
- Não nasci para crítico literário. Digamos que o queimo porque me agradou no seu tempo e porque à medida que envelheço receio sentir alguma vez a tentação de voltar a lê-lo.
Fuster seleccionou um parágrafo de "A última Faixa" e lê-o com grandiloquência cómica:
- Porventura os meus melhores anos já passaram. Quando tinha alguma probabilidade de ser feliz. Mas já não desejo mais probabilidades. E menos agora tenho esse fogo dentro de mim. Não, não desejo mais probabilidades. (Krapp permanece imóvel, com os olhos fitos no vazio. O carrete continua a rodar em silêncio).
Entregou o livro a Carvalho como o aduaneiro receoso devolve o passaporte a um turista sob suspeita. Carvalho empilhou a lenha e deixou um vazio na base para introduzir as pilhas dos livros destroçados. Lançou fogo ao papel e a labareda subiu como um crescendo de luz e som que os hiptnotizou durante alguns segundo até que Carvalho avançou para a cozinha e Fuster se dispôs a pôr a mesa.
Os pássaros de Banguecoque - Manuel Vasquez Montalbán, Caminho Policial, pag. 25

1 Comments:

Anonymous baducha said...

Eis um livro que conheço de nome e que não li, ainda!

Miss Pearls, sabe o que me fez lembrar este excerto?
Dom Quixote De La Mancha.

"Do donairoso e grande escrutínio que o cura e o barbeiro fizeram na livraria do nosso engenhoso fidalgo":

- Ai senhor! - disse a sobrinha- , bem os pode vossa mercê mandar queimar como os demais, porque não seria novidade que, tendo sarado o senhor meu tio da enfermidade cavalheiresca, em lendo estes lhe aprouvesse fazer-se pastor e ir-se pelos bosques e prados, cantando e tangendo, e, o que seria pior, fazer-se poeta, que segundo dizem é enfermidade incurável e pegadiça."

Deu-me para isto. Coisas da minha cabeça!!

3:08 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

eXTReMe Tracker