sábado, fevereiro 7

Modas & bordados

Terça-feira, Fevereiro 7~2006 Fim de tarde (IX) Encontrou-o por acaso naquela pastelaria onde passaram juntos tantas tardes. Era ali que se encontravam ao final da tarde antes de irem para casa. Eram felizes nessa altura. Ela podia jurar que eram felizes. Acreditava que lhe conhecia o corpo e lhe adivinhava o pensamento. Mas depois tudo fora muito difícil, doloroso. Assim que lhe vinham as recordações ou lhe pressentia uma presença que ela sabia não existir, afastava o pensamento e reprimia a ilusão.(...)
O Bocage é para despistar, porque o quero mesmo é falar de uma irritação pessoal, que vai crescendo com a idade e com ela uma observação mais crítica e mais extremada, da qual não tenho particular orgulho. Mas há alergias, anti-corpos, nervinhos e até um dois adjectivos menos simpáticos, no entanto, a carne é fraca para tanta expiação de pensamentos, palavras, actos e omissões. Falo de tiques, meus amigos. Tiques de fotografia para jornal, revista, panfleto, ou o que quer que seja que tenha uma fotografia tipo passe com uma mãozinha a segurar o queixo ou a esconder algum abcesso invisível.(...)

Um turista que chegue a Lisboa deve ficar um tanto ou quanto baralhado com a diversidade de souvenirs que pode levar para o seu país. Eu própria nunca me tinha apercebido do bric a brac que existe nessas pequenas lojas de recordações, até ter, por curiosidade, entrado numa delas. De Espanha trazemos o merchandising ligado ao futebol, às touradas, as bonecas sevilhanas, as miniaturas de pratas e espadas de Toledo, os leques e, em tempos remotos, os caramelos e o brandy de cujo nome já não me recordo. Os alemães continuam a vender vestígios infindáveis do Muro de Berlim, o Beethoven pisa-papéis, o busto do Bach, as canecas de cerveja e de novo o merchandising de futebol. A Aústria tem os licores, o Mozart pisa-papéis e a Sissi. Da França trazemos os porta-chaves Torre Eiffel, o Arco do Triunfo pisa-papéis, e ainda o futebol. Do Egipto compramos por todo o lado o gato Bastet, o escaravelho, os bustos da Nefertiti e do Ramsés e pirâmides pisa-papéis. Da Inglaterra, qualquer prato com a família real ou um urso do Harrods custa um disparate, mas um dedal-Diana, um lápis com os guardas da Torre de Londres ou um bloco de notas com os Double Deckers ainda se conseguem a preços módicos. A Itália tem muito por onde escolher entre o Vaticano e o Coliseu, mas em Portugal? (...)

2 Comments:

Blogger Espumante said...

Há camisolas do CFristiano Robnaldo numa loja dos Restauradores. :)))
E pevides e amendoins no Sítio da Nazaré... camisolas de lã na Boca do Inferno...filigranas...roupa da Zara... :))) é uma questão de procurar, Isabel.

5:54 da tarde  
Blogger M Isabel G said...

AH!!!!!!!!!!! estou particularmente interessada num boné do CR 7.
Acho que me ficaria muito bem. Com uns brilhantezinhos... uma categoria. Podia usá-lo com calças para dentro das botas, túnica decotada e óculos Tom ford (imitação).

2:26 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

eXTReMe Tracker