sexta-feira, agosto 4

Verão na cidade

A cidade está deserta. Não me queixo. Por uns dias parece que se acalmam as buzinas, os movimentos são mais lentos, talvez até mais pacientes. A cidade não muda de povoado, mas aparecem viajantes, mochileiros e os recantos, as ruela e as praças são surpreendidas por máquinas que fotografam o que sempre nos pareceu óbvio e banal. De resto, estão por aqui, por ali, os pobres de sempre, os velhos solitários, os loucos das avenidas, os imigrantes desamparados, os bêbados em monólogos, os que ficam por cá e os que não têm terra. As vacas que invadiram a cidade e que parecem debotar com tanto sol, lá vão ilustrando a pose artística dos mirones, provavelmente o único traço de humor que reveste a cidade. Eu não desgosto da cidade assim, enquanto conto os dias para fugir dela. O que gosto mesmo é de fugir primeiro para perto e depois sair para longe, saltar do meu mundo para o mundo dos outros, sair das vistas curtas. Quando se chega trazem-se mais palavras, guardam-se encontros e trazem-se outras cores. A moldura com novos abraços na praia, na serra ou numa cidade nova ficará com glória certa na companhia de beijos antigos em praias diferentes Acho simpática a cidade assim vazia de Segunda a Sexta. O Sábado é útil para tratar da vida, mas o Domingo totalmente inútil. A cidade despovoada parece ainda mais quente e até os bichos parece que desertam para se acomodarem nas sombras. As pessoas saúdam-se alegremente com "Até depois da férias", como se fugissem uns dos outros por uns tempos, como se as férias fossem uma libertação não só dos lugares, mas também dos outros. Espero sempre que venham mais felizes. Por uns tempos, pelo menos. fotografias: A Carneiro (Ao Jorge Ferreira no Olissipo, obrigada)

6 Comments:

Blogger Vitor Alvito said...

Existem sítios à noite em Lisboa que no Verão são bem mais mexidos. Temos é que dormir de dia. Mas, para mim, Lisboa com pessoas tem mais encanto.

11:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Texto inspirado, parabens. Eu é que infelizmente não acredito na felicidade dos regressos. Bem aventurados os que acreditam.

3:55 da tarde  
Blogger Pedro Correia said...

Excelente texto, Isabel.

9:49 da tarde  
Blogger catarina said...

Bonitos, texto e fotografias - a vaquinha é simpática, ;)-

12:25 da manhã  
Blogger MissPearls said...

Vitor, Acredito que haja em Lisboa à noite sítios mais mexidos. Desgraçadamente não sei quais são :)

Caro anónimo,
Eu acredito que as pessoas voltam um nadinha melhores. Por uns tempos :)!

Pedro e Catarina,
Muito obrigada

1:08 da manhã  
Blogger Luis Royal said...

gosto de Lisboa assim.
também gosto de Lisboa cheia e em fúria. com autocarros, mendigos (os mendigos vão de férias? é porque até esses desapareceram! a Santa Casa terá um abrigo na Costa da Caparica?), putas, chuva, jacarandás, zaras, comércio tradicional, twin towers, publicidades, supermercados, hipermercados, o rio, centros e periferias, reuniões e bicas e jantares e esquinas com bares.
melhor que Lisboa só indo para Madrid.
daí em diante, não discutimos.
é isto que temos.

1:27 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

eXTReMe Tracker