sexta-feira, dezembro 29

A arte de uma boa conversa

Muito interessante o artigo "The art of conversation-Chattering classes : The rules for verbal exchanges are surprisingly enduring " do Economist. O artigo descreve-nos Sir Isaiah Berlin, Denis Diderot, Virginia Woolf, Christopher Hitchens, Gore Vidal e Samuel Johnson como excelentes conversadores, enquanto Churchill was another magnificent talker, perhaps the greatest of the 20th century, but often a poor listener . Segundo Cícero (44 A.C.) , o segredo de uma boa conversa reside na "alternância" entre os participantes:"speak clearly; speak easily but not too much, especially when others want their turn; do not interrupt; be courteous; deal seriously with serious matters and gracefully with lighter ones; never criticise people behind their backs; stick to subjects of general interest; do not talk about yourself; and, above all, never lose your temper". Só não constam da sua lista duas leis cardinais: "recordarmo-nos do nome das pessoas e ser um bom ouvinte".
Atenas de Sócrates e Plutão nos séculos IV e V A.C., terá sido o berço da idade de ouro de uma boa conversa: "a search among friends...for the divine ideas of the true, the beautiful, the good”. O segundo período mais marcante registou-se entre as elites francesas nos finais do século XVII, inícios do século XVIII, caracterizado pelo prestígio adquirido pelas mulheres na alta sociedade francesa. As mulheres frequentavam os salões onde a cultura da época era criada e a sua presença civilizava os homens seus convidados. As conversas nos salões e à mesa tornou-se tão cheia de estilo como um ballet, exigindo técnicas de " politesse, esprit, galanterie, complaisance, enjouement, flatterie, playful teasing, plaisanterie, joking, bons mots (epigrams), traits and pointes (rhetorical figures involving “subtle, unexpected wit". Even silences had to be finely judged."
The Duc de La Rochefoucauld distinguished between an “eloquent” silence, a “mocking” silence and a “respectful” silence. The mastery of such “airs and tones”, he said, was “granted to few”. Fazer amigos e influenciar pessoas serão alguns dos objectivos de uma boa conversa. Tanto um como outro exigem charme, cortesia e o desejo de compreender as ideias e as opiniões dos outros. Nada que passe de moda.

5 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Gostei daquela do playful teasing.

5:13 da tarde  
Blogger O Jansenista said...

"Repartee" é a palavra-chave!

5:27 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Minha querida Miss Pearls,

Li com a atenção merecida esta sua entrada. Como sempre, bem conversada. Sem aquela necessidade de rigôr da "discussion". Que é sempre oportuna.

Vem isto a propósito da sua referência ao "período mais marcante (que) registou-se entre as elites francesas nos finais do século XVII, inícios do século XVIII, caracterizado pelo prestígio adquirido pelas mulheres na alta sociedade francesa". Que naturalmente me traz à memória Gabrielle-Emilie, Madame de Lambert, ou ainda a fictícia "Thérèse Philosophe" imaginada por Jean-Baptiste de Boyer, o marquês d'Argens.

Mas que injustamante esquece as que não foram francesas. Como Sophie von der Platz, que foi Eleitora de Braunschweig-Lunenburg, como Caroline von Hessen, de Hesse-Harmstadt, ou como Giuseppa-Eleonora Barbapiccola, de Nápoles, ou ainda como Anna Maria von Schurman, de Amesterdão. As grandes mulheres cujo estudo atento de Espinoza, Descartes, e outros "philosophes", se destinava "à l'usage des cavaliers et du beau sexe".

Merci.

F

5:34 da tarde  
Blogger MissPearls said...

"As grandes mulheres cujo estudo atento de Espinoza, Descartes, e outros "philosophes", se destinava "à l'usage des cavaliers et du beau sexe"."

Tem toda a razão. Havia nestas mulheres do século XVIII uma autonomia na forma de viver (não económica, na maioria) uma enorme liberdade, curiosidade e criatividade que faz uma mulher " de agora" roer-se de inveja e admiração.
O deslumbramento intelectual era genuíno e o prazer no enriquecimento intelectual era muito curioso. Também diferente dos tempos de hoje, mais ostensivos, voltados para uma audiência maior (sem salões ou longos jantares), disponível através da escrita.
E o ócio! Caro F! Não havia ócio tão delicioso como o das damas oitocentistas.

Um excelente Ano 2007!

5:58 da tarde  
Blogger Baducha said...

Tem razão!
Nada que passe de moda.

9:29 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

eXTReMe Tracker