sábado, agosto 25

"A arte de perder"

A arte de perder Tantas coisas que perdemos ao longo de uma vida!Perdemos as casas onde vivemos, que habitámos por dentro, naquilo que uma casa tem de mais dentro de si mesma. Perdi a casa de infância dos meus pais na adolescência - no mesmo ritmo que os perdi. (...) Perdi a praia de São Martinho do Porto, a praia dos primeiros namoros. Não a reconheço, porque fui reencontrá-la massacrada por uma urbanização selvagem e incomodativa. Encontrei a foz do Arelho. (...) Perdi também alguma memória de tudo o que perdi.Mas há um poema de Elizabeth Bishop que se chama precisamente "Uma arte" e é sobre essa difícil arte de perder. Diz assim: "A arte de perder não é nenhum mistério; / tantas coisas contém em si o acidente / de perdê-las, que perder não é nada sério. (...) Perdi duas cidades lindas. E um império / que era meu, dois rios e mais um continente. / Tenho saudades deles. Mas não é nada sério. // Mesmo perder você (a voz, o ar etéreo / que eu amo) não muda nada. Pois é evidente / que a arte de perder não chega a ser mistério / por muito que pareça (Escreve!) muito sério." Eduardo Prado Coelho "O fio do horizonte"

1 Comments:

Blogger ariel said...

Um senhor!Uma perda grave na nossa pobre massa crítica. É um dia muito triste.

10:48 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

eXTReMe Tracker