quarta-feira, novembro 29

Da luz e das sombras

A luz clara, crua, cruel, bateu-lhe violentamente no rosto. O espelho devolvia-lhe a imagem das rugas e dos traços que tratava pelo nome. Sem esforço, reconhecia a cartografia de cada linha, seguia-lhe o norte e o sul, acompanhava-lhe a cronologia dos anos, dos meses, dos dias e o curso das horas.
Nos vincos do rosto que luzes suaves amenizavam, percorria-lhe os socalcos traçados em calendários de memórias e junto aos lábios, nunca deixou de sentir o sabor a sal no trajecto dos sulcos. Os cabelos, porém, disfarçavam as marcas da saudade que o rosto não escondia. Os sinais da tristeza estavam lá todos mas ocultos pela alma, onde ninguém chega ou quer desvendar. Mas o que o espelho lhe devolvia e que a luz acentuava, era também um sorriso: estava lá tudo.
Fechou a porta e saiu para uma luz mais clemente mas menos humana. Sorte a dela: também tinha herdado o coração.

2 Comments:

Anonymous Patrícia Mota said...

Muito bonito.
:)

4:28 da tarde  
Blogger MissPearls said...

Obrigada Patricia
Gostei muito de o ter escrito.

6:23 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

eXTReMe Tracker