sábado, novembro 25

De Concorde na Cordoaria Nacional

Já não tenho memória de quando terei ido pela primeira vez ao bazar do Corpo Diplomático. Recordo-me vagamente dos apertos num armazém acanhado na Doca de Conde Óbidos e de mais uma dúzia de salas onde anualmente este evento tem lugar por alturas do Natal. Antes do advento da globalização, da invasão de lojas de viagens, lojas chinesas, dos clubes de gourmet, das viagens baratas, da internet, e da moda de coloridas etnografias, as prendas de Natal eram um pretexto para a visita ao bazar. A minha mãe apanhou-lhe o jeito de chegar cedo e saía satisfeita carregada de embalagens de chás, cafés, almofadas orientais, frascos de doce, frutos secos, garrafas de vinho, gravatas, caixas de madeira, e bolos para nos apaziguar da espera.
E porque a tradição ainda é o que era e mesmo com o coração apertado de tantas ausências, hoje em dia a visita ao bazar é mais bolos. Quem diz bolos diz cozinha moçambicana, angolana, egípcia, israelita, turca, tailandesa, marroquina, tartes austríacas, crepes com Maple syrup canadiano e vinho argentino.
Mesmo sem o defunto Concorde e sem paz no mundo, ainda é possível partilhar uma mesa com a simpatia e com a cozinha de tantos povos. À hora a que escrevo isto, nada que uma garrafa de água gaseificada não resolva.

4 Comments:

Blogger LA said...

Não conhecia este blog. Vim até cá depois de ver a votação, e ... gostei. Despretencioso, simpático, cheio de coisas boas e bons sabores. Parabéns. Um beijo blogosférico do LA

5:27 da manhã  
Blogger MissPearls said...

É o Lauro António himself? Aqui no meu blog?
Obrigada
:)
Isabel

9:52 da manhã  
Blogger ariel said...

Gosto muito destes seus textos. Simples, emotivos mas contidos, tranquilos. Dá-me logo vontade de correr para a cordoaria.

1:48 da tarde  
Blogger Ela said...

Não sei se é o Lauro António, mas permito-me subscrever o comentário.

1:50 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

eXTReMe Tracker